seg. out 22nd, 2018

Vazamento de dados do Banco Inter: como saber se você foi afetado

Em maio, o TecMundo revelou em primeira mão um vazamento de dados de usuários do Banco Inter após uma suposta extorsão hacker. Cerca de dois meses depois, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), por meio da Comissão de Proteção dos Dados Pessoais, moveu uma ação civil pública por danos morais coletivos contra o Banco Inter pedindo a condenação do banco ao pagamento de R$ 10 milhões, em razão de não ter tomado os cuidados necessários para garantir a segurança dos dados pessoais de seus clientes e não clientes.

O MPDFT validou quase 20 mil nomes de clientes e não-clientes com informações como dados bancários, como número da conta, senha, endereço, CPF e telefone. Dessa maneira, muitos usuários do banco buscam uma maneira de descobrir se foram afetados pelo vazamento ou não. Por isso, o pessoal do Gizmodo Brasil procurou o Banco Central do Brasil para descobrir como os clientes do banco podem agir.

Vale notar que, como afirma o GizBR, “as normas do Conselho Monetário Nacional indicam que as instituições financeiras são obrigadas a comunicar ao Banco Central os incidentes relevantes que configurem uma situação de crise – o que inclui casos de vazamentos. No entanto, não existe uma regra do Conselho Monetário Nacional ou do Banco Central que obrigue a instituição financeira a notificar tais incidentes aos clientes. É por isso que o Banco Inter não notificou ninguém, a não ser o próprio BC”.

Para descobrir se os seus dados estão no vazamento, de acordo com o Banco Central, o cliente deve procurar o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) da própria instituição financeira e, se necessário, a sua Ouvidoria.

Ainda, é possível registrar reclamações no Banco Central do Brasil. “Todos os protestos recebidos são encaminhados para as instituições financeiras e o BC verifica se os clientes receberam a resposta. De acordo com o órgão, essas reclamações podem contribuir no processo de regulação e fiscalização do sistema financeiro”, adiciona.

“A negligência do Banco Inter só é possível porque o Brasil ainda não possui uma legislação que trate sobre a privacidade e tratamento de dados pessoais. O PLC (Projeto de Lei da Câmara) 53/2018, que define regras para esses casos, já foi aprovado pelo Congresso em julho e aguarda a sanção presidencial”, finaliza o GizBR.

Há outro meio?

Como você mesmo pode checar na Ação Civil Pública do MPDFT, os dados vazados de clientes eram negociados livremente “na chamada Deep Web ou Web Profunda”. Além disso, uma testemunha do Ministério Público foi supostamente ameaçada pelo Banco Inter durante a investigação do caso.

Tudo isso indica que, além do TecMundo, do Banco Central e do MP, os dados de clientes foram acessados por outras pessoas — e, com isso, podem estar rodando na internet. Se este for o caso, não deve demorar para o site Have i Been Pwned conseguir essas informações e atualizar sua base de dados. Então, fique ligado aqui para conferir a integridade de sua conta.

Notícias Relacionadas :::