sex. dez 14th, 2018

Idoso foi atraído pela namorada e pode ter sido jogado ainda com vida na pedreira

Orivaldo Martins da Silva, 61, foi atraído para a própria morte pela namorada, Jaqueline da Silva Padilha, 30, segundo o delegado do SIG (Setor de Investigações Gerais), Rodolfo Daltro. Ela está presa temporariamente pelo crime de latrocínio.

A ação teve ainda a participação de Jacson Ávalo de Araújo e Elvis Luciano Tavares – acusados também pela morte de Josivan Alves de Lima, 37, no dia 14 de setembro -, conforme a polícia. A apresentação dos três ocorreu nesta quarta-feira (28/11).

O idoso desapareceu no dia 4 de setembro e seu corpo encontrado quatro dias depois, no lago formado na antiga Pedreira, na MS-379, em Dourados.

De acordo com o delegado, existe a possibilidade da vítima ter sido jogada ainda com vida às águas. Os suspeitos roubaram dinheiro sacado da aposentadoria de Orivaldo e ainda um GM Corsa, levado ao Paraguai e vendido por R$ 3 mil.

O caso 

Jaqueline mantinha relacionamento há tempos com Jacson e passou a ficar com o idoso, que lhe garantia ajuda financeira há pelo menos dois meses. Ao descobrir sobre o fato, conforme a polícia, o rapaz teria ficado enciumado e exigiu da namorada que, como prova de amor, atraísse a vítima a determinado lugar para o matar.

A mulher e Orivaldo foram vistos pela última vez na terça-feira, 4 de setembro, mesma data em que ele desapareceu, conforme informou a família à polícia.

“Jacson relatou que combinou com a Jaqueline porque estava com ciúme e disse a ela que, como forma de ‘provar o amor’, deveria armar uma cilada e matar ele”, disse Rodolfo Daltro.

No mesmo dia, a suspeita levou a vítima até onde Jacson e Elvis estavam.

Lá, renderam Orivaldo e o agrediram com chutes. Ao chegarem na pedreira, a mulher não teve coragem de matar o idoso.

“Jacson estava em posse de um revólver, rendeu e agrediu Orivaldo. Chegando na pedreira, Jaqueline não teve coragem de matar o namorado e Jacson o fez. Existe a possibilidade de terem jogado ele ainda vivo na pedreira”, contou o delegado.

Após o assassinato, os dois homens pegaram o veículo do idoso e levaram até a região de fronteira. No Paraguai, comercializaram o carro por R$ 3 mil, além de roubar em torno de R$ 1 mil da aposentadoria da vítima.

Jacson e Elvis estão presos preventivamente desde o dia 19 de novembro pela morte de Josivan, no chamado Tribunal do Crime. Já Jaqueline teve mandado de prisão temporária expedido pela Justiça, porém, o delegado do SIG já representou pela preventiva dela.

Os três negam o crime.

Fonte: DouradosNews

Notícias Relacionadas :::

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *