qua. jan 16th, 2019

Promoções de filho de Mourão na “era PT” derruba argumento de perseguição política

A promoção de Antonio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente Hamilton Mourão, ao cargo de assessor especial do presidente do Banco do Brasil, para receber o triplo de seu salário – que, atualmente, ultrapassam R$ 30 mil – gerou uma enxurrada de críticas não só de internautas descontentes, como também de funcionários do banco, que se manifestaram na rede interna de comunicação da instituição.

O Ministério da Economia preferiu não fazer declarações diante de toda a repercussão negativa, porém, o vice-presidente Hamilton Mourão tomou as dores do filho e saiu em sua defesa, alegando que ele havia sido preterido nas gestões de Lula e Dilma por ser seu filho e que, só agora, estava sendo valorizado. “Em governos anteriores, honestidade e competência não eram valorizados”, publicou em seu Twitter.

O que Mourão não esperava é que sua justificativa logo seria desmontada. De acordo com a jornalista Madeleine Lacsko, do jornal Gazeta do Povo, Antônio foi promovido oito vezes durante a gestão do PT (2003-2016), sendo a primeira logo que Lula assumiu o governo, em 2003, em que o filho de Hamilton Mourão conseguiu ser transferido do Rio Grande do Sul para Brasília.

Lacsko também afirma que o novo assessor teve a oportunidade de se candidatar a uma promoção no governo de Michel Temer, o que não fez porque preferiu ficar no cargo de assessor empresarial na área de agronegócios do BB.

Veja as promoções de Antônio Hamilton Martins Mourão:

1 – 21 de janeiro de 2003: de Gerente de Expediente em Campo Novo, RS, para Gerente de Contas II na Asa Sul, DF;

2 – 5 de março de 2003: Operador Financeiro Jr., já fora de agência e na estrutura do banco;

3 – 9 de agosto de 2004: Analista Pleno na Diretoria de Agronegócio;

4 – 14 de maio de 2007: Gerente Negocial na Superintendência de Varejo do BB em MS;

5 – 18 de junho de 2007: Analista na mesma Superintendência no MS;

6 – 21 de julho de 2008: Analista Sênior, de volta ao DF;

7 – 10 de dezembro de 2012: Analista Sênior na Gerência de Negócios;

8 – 28 de maio de 2013: Analista Empresarial na Gerência de Negócios.

Time de defesa

Além do vice-presidente, o novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, também se manifestou a favor do seu novo assessor: “Mourão [o filho] é de minha absoluta confiança. Foi escolhido para minha assessoria e nela continuará, em função de sua competência. O que é de se estranhar é que não tenha, no passado, alcançado postos mais destacados no banco”.

Segundo Novaes, o filho do presidente possui “excelente formação e capacidade técnica” e será mantido no cargo. Em nota, o banco informou que o cargo é de “livre provimento da Presidência do BB e a nomeação atende aos critérios previstos em normas internas e no estatuto do Banco”.

Fonte: Yahoo!