FATONEWS

Os sinais que podem identificar depressão nos adolescentes

Uma estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta que pelo menos 30% da população mundial sofrerá algum episódio de depressão ao longo da vida. E embora esse tipo de doença seja habitualmente diagnosticada na vida adulta, estudos apontam que aproximadamente 50% dos adultos portadores de depressão relataram início dos sintomas antes dos 18 anos.

A depressão é uma doença com diagnóstico psiquiátrico que pode ser desencadeada tanto pela carga genética quanto pelo ambiente onde a pessoa está inserida. Não há consenso sobre qual deles seria predominante.

“Cada criança manifesta sua carga genética predisposta de um jeito. Ela pode ser muito sensível com uma carga genética grande e o mínimo de estímulo negativo pode precipitar o início de um sintoma, seja uma crise de ansiedade ou uma fobia”, afirma a psiquiatra Lee Fu, especialista em crianças e adolescentes e autora de três livros sobre o tema.

Um quadro depressivo, entretanto, só pode ser constatado quando há um sentimento de tristeza contínuo, sem motivo aparente, por pelo menos 15 dias. O diagnóstico depende da avaliação do histórico de doenças psiquiátricas da família, e ainda não há exames clínicos, como os de sangue ou ressonância magnética, capazes de identificar o transtorno.

Responsável pelo Programa de Transtornos Afetivos na Infância e na Adolescência do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), Lee explica que os adolescentes são um público vulnerável porque ainda estão adquirindo “alternativas para lidar com a vida e, obviamente, têm mais frustrações”. Por isso, segundo ela, o que acontece na escola tem importância na vida do jovem e não pode ser negligenciado.

“Quando eles chegam ao consultório, o que trazem é sempre a ponta do iceberg. Os pais falam: meu filho é muito tímido, caseiro, não vai para festas, só fica em casa jogando videogame. Podem estar acontecendo coisas horrorosas, como um abuso, ou ainda, ser o temperamento do jovem”, diz Lee.

Mas quais são os sinais que podem ajudar a identificar a doença?

Queda no rendimento escolar

Quando se tratam de crianças e adolescentes, os quadros depressivos, fatalmente, desembocam na queda do rendimento escolar, porque um dos sintomas é a alteração da forma e da velocidade do raciocínio, segundo Lee Fu. Também é comum que estes alunos passem a faltar mais nas aulas.

Leia também:  ‘Homeschooling não substitui a escola’

“A criança diz que presta atenção, mas não consegue lembrar de tudo que estudou. Podem ser alunos que antes tinham notas boas, mas agora a cabeça não funciona. Esse tipo de situação faz parte dos sintomas depressivos”, afirma Lee.

A mudança no boletim escolar costuma ser o grande sinal de alerta aos pais. A psiquiatra diz que não é possível generalizar e afirmar que a escola não olha para este tipo de problema, mas ela reconhece que tanto a rede pública quanto a privada não conseguem dar conta de todas as questões inerentes à infância e à adolescência.

“A escola pública talvez pegue metade dos casos, pois tem menos recursos, menos professores, mas há educadores bons. Uns que até pecam por excesso.”

Trocar de escola nem sempre resolve o problema. “Às vezes, a criança ou adolescente precisa mudar o ambiente, pois não dá tempo de a escola resolver o problema, como fobia, insegurança e ansiedade. Mas depende de caso a caso.”

Mudança de comportamento

Um quadro depressivo nem sempre está ligado a melancolia, tristeza e introspecção. Comportamentos como mau humor em excesso, irritação ou até aumento de apetite e sono podem também ser sintomas da depressão.

“As mudanças de hábitos às vezes são percebidas pelas escolas quando o adolescente passa a ficar mais quieto ou isolado. Algumas escolas têm essa atenção”, diz Lee Fu.

Além da queda do rendimento escolar, outros sintomas da depressão são alteração de humor, apatia, choro em excesso. O adolescente também pode ficar mais rabugento e se queixar de não saber o que fazer.

Mudança de peso, alterações de sono (como demorar mais para conseguir dormir e ter mais pesadelos) e baixa autoestima também podem ser sinais. Outro indício característico é a perda da capacidade de sentir prazer em coisas que antes eram prazerosas.

Ideação suicida

Dados da OMS mostram que o suicídio representa 1,4% de todas as mortes em todo o mundo, tornando-se em 2012, a 15ª causa de mortalidade na população em geral. Entre os jovens de 15 a 29 anos, é a segunda principal causa de morte, só perde para causas externas como homicídios e acidentes climáticos.

Leia também:  Homem convulsiona em frente ao posto de saúde e atendente manda chamar o Samu

Nem todos os casos de suicídio, entretanto, estão ligados à depressão. O que se pode estimar, de acordo com psiquiatra Arthur Danila, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP, é que a depressão não tratada aumenta as chances de a pessoa pensar em suicídio.

Nos casos mais graves, os adolescentes deprimidos podem falar ou pensar sobre a morte. “A falta de esperança que é muito encontrada em pessoas deprimidas é um dos fatores psicológicos mais correlacionados com a ideação suicida”, afirma Danila.

Ausência de planos para o futuro

A falta de comprometimento com o futuro, apatia, sentimento de medo e insegurança dos adolescentes foram problemas que apareceram durante o trabalho de orientação vocacional feito pela psicóloga Érica da Costa Garcia, do Espírito Santo.

Érica trabalha para um aplicativo que oferece orientação vocacional por meio de vídeos, chamado Kuau, voltado para alunos da rede pública de diversos Estados brasileiros. Embora a função da plataforma seja ajudar os jovens a encontrar suas vocações e agregar afinidades à escolha profissional, sintomas de depressão foram identificados como motivos para que os jovens deixassem de acessar o aplicativo.

“Temos meninos de 15 anos que estão comprometidos com o futuro, e outros de 20 que não estão. O que vimos é que, quando começávamos a tratar orientação profissional, apareciam outras questões mais profundas e mais sérias. E se isso não for tratado, a pessoa não consegue dar vazão a uma escolha profissional assertiva, que reflita sua identidade”.

Segundo a psicóloga, se o aluno tem uma questão emocional de base para ser resolvida, não é possível avançar e trabalhar a orientação vocacional, por exemplo. “Não é possível decidir a carreira, se o jovem não tem autonomia como um todo. A adolescência é marcada por altos níveis de depressão e ansiedade. Trabalhar a saúde mental ajuda o jovem não só a escolher a carreira”.

A partir desses feedbacks, a Kuau passou a oferecer seminários e treinamentos para o que os professores abordassem temas como depressão em sala de aula. “A escola tem grande preocupação, mas não tem ferramenta para mapear e lidar com a questão.”

Leia também:  Estudantes criam projeto para ajudar mulheres com câncer

Prazer somente no mundo virtual

Embora os jovens tenham uma relação muito próxima com a internet, isso pode se tornar um problema quando o mundo virtual vira sua única fonte de prazer.

“Quando o jovem fica hiperconectado com o mundo virtual, e desconectado do mundo real, acaba ficando sem experiência de vida, fica menos comprometido, um jovem frágil emocionalmente. É um padrão para se ter um olhar mais cuidadoso”, explica a psicóloga Érica da Costa Garcia.

Prevenção e tratamento

Para Lee Fu, a depressão é como alergia. “Uma vez tendo, você sabe que vai ter, só não sabe quando. Assim que começa a tratar, com terapia ou remédio, é uma observação de um ano.”

Nem todos os casos são medicamentosos. Quando há prescrição, precisa ser feita com muita cautela e acompanhamento para ajuste da dose. Para os quadros depressivos leves, há a indicação de psicoterapia, muitas vezes também para as famílias.

“Mas a avaliação por psiquiatras pode ajudar muito a definir qual a melhor conduta em cada caso. E, é claro, a identificação precoce dos sintomas e adequado encaminhamento para atendimento por um profissional especializado”, reforça Arthur Danila.

A prevenção ainda é o melhor remédio. Para isso, lembra o médico, a prática de atividades físicas, alimentação saudável, sono em quantidade e qualidade adequadas, e promoção de relações de amizade e sociais construtivas e sólidas são boas contribuições.

“Tem horas que não dá para mostrar que o mundo é colorido aos jovens porque eles não entendem. O que dá para fazer é ficar do lado”, diz Lee Fu.

Fonte: BBC

Sobre o editor

Maryone Azevedo
Maryone Azevedo
Trabalhando para trazer a verdade ao público!

A verdadeira informação é a salvação de uma nação livre de injustiças!