Força tarefa da Lava Jato reclama de ataques cibernéticos sofridos desde abril

A força tarefa da Lava Jato anunciou nesta segunda que vem sofrendo ataques cibernéticos de um hacker desde o mês de abril deste ano. Segundo nota divulgada à imprensa, membros do Ministério Público Federal tiveram celulares e aplicativos de mensagens invadidos e clonados. “Pelo menos desde abril os procuradores da força-tarefa vêm sendo atacados, portanto, muito antes das notícias de ataques veiculadas na última semana”, informa o comunicado , em referência à notícia que veio a público na semana passada sobre a invasão ao celular do ministro Sergio Moro na última terça-feira, dia 4.

Em editorial, o The Intercept Brasil explicou que os arquivos de mensagens, obtidos pela fonte anônima, foram recebidos semanas antes da notícia do celular hackeado do ministro da Justiça. Ainda segundo a força tarefa, as tentativas de ataques cibernéticos aos procuradores da Lava Jato foram comunicados à Polícia Federal e à Procuradoria Geral da República.

“O modo de agir agressivo, sorrateiro e dissimulado do criminoso é um dos pontos de atenção da investigação”, afirma a força tarefa. Segundo o comunicado, o invasor virtual se aproveitou de falhas da rede telefônica. “O  hacker clonou números de celulares de procuradores e, durante a madrugada, simulou ligações aos aparelhos dos membros do MPF. Para tanto, valeu-se de “máscaras digitais”, indicando como origem dessas ligações diversos números, como os dos próprios procuradores, os de instituições da República, além de outros do exterior”, afirmou.

Acostumados a colocar políticos e empresários nos holofotes, os membros da Lava Jato se viram no centro das atenções com seus diálogos e conversas internas vazadas pela reportagem do The Intercept Brasil, e amplificada pela mídia nacional e internacional. Logo após a divulgação da reportagem, a força tarefa reclamou do tom “tendencioso” das informações e o fato de não terem sido procurados para repercutir as informações levantadas. “Merece registro o fato de que nenhum pedido de esclarecimento ocorreu antes das publicações, o que surpreende e contraria as melhores práticas jornalísticas”, afirmaram em nota. “Além disso, é digno de nota o viés tendencioso do conteúdo divulgado, o que é um indicativo que pode confirmar o objetivo original do hacker de, efetivamente, atacar a operação Lava Jato, aspecto reforçado pelo fato de as notícias estarem sendo divulgadas por site com nítida orientação ideológica”, afirmaram.

Leia também:  MPF investiga lucro milionário de fundação de militares com venda de terreno do Exército

Em editorial, os jornalistas do Intercept alegaram que “ao contrário do que tem como regra, o Intercept não solicitou comentários de procuradores e outros envolvidos nas reportagens para evitar que eles atuassem para impedir sua publicação e porque os documentos falam por si. Entramos em contato com as partes mencionadas imediatamente após publicarmos as matérias, que atualizaremos com os comentários assim que forem recebidos.”

Fonte: El País

fatonews-forca-tarefa-da-lava-jato-reclama-de-ataques-ciberneticos-sofridos-desde-abril-brasil160total visits,1visits today