Câmara não perde independência ao rever ato de vereadores, diz presidente

Segundo o presidente da Câmara, o Legislativo age provocado pelo Ministério Público, “como poderia ter sido por qualquer outra parte legitimada para isso”, afirmou, ao convocar novas sessões. “Tivemos três vereadores absolvidos e uma cassação, resultados que podem até se inverter porque cada vereador é dono do seu próprio juízo”, entende Alan Guedes.

De acordo com o parlamentar, todo o rito adotado no caso dos vereadores apontados nas investigações decorrentes das operações ‘Cifra Negra’ e ‘Pregão’, realizadas pelo Ministério Público, obedeceu tramitação já aplicada anos atrás com a operação ‘Uragano’, que afastou nove dos 12 vereadores da época dos respectivos mandatos.

O que ocorre, nessa decisão recente, parte do entendimento, de maio deste ano, do desembargador Luiz Tadeu Barbosa Silva, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, para quem não existe proibição para o suplente votar em processo de cassação.

Fonte: 94 Fm Dourados

Leia também:  Bebeto comemora inicio de construção de ponte e vistoria obras de drenagem