Heleno diz que Carlos Bolsonaro é ‘traumatizado’ por atentado do pai

General compareceu à Câmara dos Deputados para falar sobre a carga de 39 quilos de cocaína apreendida em avião da FAB

ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, disse nesta quarta-feira, 10, que o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) é “extremamente traumatizado” pelo ataque a faca sofrido pelo pai durante a campanha no ano passado.

O general compareceu nesta quarta à audiência na Câmara dos Deputados para dar esclarecimentos sobre o sargento militar que foi preso na Espanha carregando 39 quilos de cocaína em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) que dava apoio a comitivas presidenciais. Os parlamentares lhe questionaram sobre as críticas feitas por Carlos Bolsonaro e por seguidores do guru Olavo de Carvalho contra o GSI, que é responsável pela segurança do presidente e pela escolha da tripulação que o acompanha nas viagens.

“Eu convivo com ele [Carlos]. Ele é extremamente traumatizado pelo atentado que buscou modificar a situação política do Brasil”, disse o general. Sobre Olavo de Carvalho, ele foi mais contundente: “Se eu encontrar o senhor Olavo na rua, eu nem sem quem é. Meu tempo é precioso. Eu não dedico a ele o meu tempo. Nunca dediquei. Então, vou continuar não dedicando. Não me atinge em nada. Se eu for responder cada bobagem que falam…”. Olavo se notabilizou nos últimos meses por criticar abertamente os militares que integram o governo Bolsonaro.

Em relação à droga apreendida, o general classificou o episódio como uma mancha para o país – “vergonha nós já passamos há muito tempo. Essa foi só mais uma” –; declarou que foi completamente pego de surpresa, já que a tripulação costuma ser escolhida “a dedo” – “são militares diferenciados pela sua formação, dedicação e pelas tarefas em que estão envolvidos”; e assumiu a culpa pelo ocorrido – “a responsabilidade é nossa, conjunta, do GSI e do Comando da Aeronáutica. Isso nos atingiu profundamente. Não é uma oratória. É verdade”.

Leia também:  Salvação de Temer custará R$ 300 bilhões aos brasileiros

O general também comentou que o caso é fruto da “leniência” dos governos anteriores com o combate às facções criminosos. “Estamos seriamente contaminados por organizações criminosas a ponto de transformar um problema de segurança pública em problema de segurança nacional”, afirmou.

Representantes do Ministério da Defesa e da Aeronáutica também participaram da audiência. O tenente-brigadeiro do Ar Carlos Augusto Amaral Oliveira afirmou que tomou medidas para “reduzir a vulnerabilidade” dos procedimentos de embarque e desembarque de voos da FAB.

Em seguida, o tenente-brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior prometeu punição exemplar aos culpados e disse que é necessário refletir sobre a situação das drogas no Brasil. “Esta é uma chaga que tem assolado nosso país nos últimos 40 anos de forma muito importante. É um problema que os três Poderes e a sociedade como um todo devem combater, nas áreas de saúde, educação, direitos humanos, e justiça. Pensamos que o triste fato que ocorreu é oportunidade para pensarmos nas nossas ações em prol do combate à droga”, afirmou.

Fonte: Veja