sábado, Fevereiro 24

Rural

Notícias sobre o agronegócio de MS

Agricultura da morte: estudo mostra que produtos brasileiros têm alto nível de veneno

Agricultura da morte: estudo mostra que produtos brasileiros têm alto nível de veneno

Rural, Saúde & Ciência
O atlas "Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia" traz como foco as relações comerciais entre as diversas nações e mostra que, apesar da legislação rígida sobre o uso de veneno, grande parte dos países europeus compram produtos do Brasil que possuem altos índices de agrotóxicos. De acordo com atlas, o Brasil é o grande exportador de açúcar, etanol, soja, milho e café, e tem países da União Europeia como os principais compradores. Fruto de uma pesquisa da geógrafa Larissa Bombardi, professora do departamento de geografia da Universidade de São Paulo, o documento destaca ainda que essa relação entre Brasil e União Europeia possui diversas facetas. Uma delas diz respeito a quantidade de agrotóxicos usada nos alimentos exportados. De acordo com dados de
Projeto de lei quer proibir agricultores de produzir, distribuir e armazenar sementes

Projeto de lei quer proibir agricultores de produzir, distribuir e armazenar sementes

Destaque, Rural
A troca, a livre distribuição e o armazenamento das melhores sementes é uma das práticas mais comuns das comunidades tradicionais, mas esta herança cultural do cultivo corre sérias ameaças. Isso porque o Projeto de Lei (PL) 827/2015, conhecido como Projeto de Lei de Proteção aos Cultivares, quer passar para grandes empresas o controle sobre o uso de sementes, plantas e mudas modificadas. De acordo com o projeto, a comercialização do produto que for obtido na colheita dependerá da autorização do detentor das chamadas cultivares, que são plantas que tiveram alguma modificação pela ação humana, como as híbridas, por exemplo. Para o educador popular da Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional, Lourenço Bezerra, do Programa Amazônia, o projeto prejudica práticas ancestrai
Moradores do PR montam ONG para evitar invasões indígenas

Moradores do PR montam ONG para evitar invasões indígenas

Rural
Cansados de presenciar invasões em áreas pública e particulares, moradores dos municípios de Guaíra e Terra Roxa, no Paraná, resolveram montar uma organização para evitar que mais terras fossem tomadas. Chamada de Ongdip (Organização Não Governamental de Garantia ao Direito de Propriedade) a organização é composta de 500 moradores. De acordo com uma das fundadoras da organização não governamental Luciane Possan Weber, os índios que constantemente tentam invadir áreas no município de Guaíra são oriundos de Mato Grosso do Sul. Indagada sobre como ela tem certeza que os indígenas são daqui ele afirma com convicção que não há registro de índios no município paranaense. “Nunca existiu índio me Guaíra. Eles mesmos falam que são de Tacuru, de Iguatemi e até do Paraguai”, diz. Ela conta que
Deputados e juiz livram Reinaldo, mas bloqueio da JBS pode deixar 75 mil sem emprego em MS

Deputados e juiz livram Reinaldo, mas bloqueio da JBS pode deixar 75 mil sem emprego em MS

MS, Rural, Slider
A ação política orquestrada para livrar os suspeitos de corrupção em Mato Grosso do Sul pode se transformar em tragédia econômica e social. Criada para investigar o pagamento de R$ 150 milhões em propinas ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e aos ex-governadores André Puccinelli (PMDB) e Zeca do PT, a CPI da Assembleia Legislativa só focou na JBS, que confessou os crimes. Com a ajuda do juiz da 1ª Vara dos Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, Alexandre Antunes da Silva, a comissão obteve o bloqueio de R$ 730 milhões da multinacional brasileira. A empresa reagiu e anunciou a suspensão dos abates nas sete unidades do Estado, que pode levar a demissão de 75 mil trabalhadores – 15 mil diretos e 60 mil indiretos. A decisão é o revés para os presidentes da Assembleia, J
JBS alega ‘insegurança jurídica’ e interrompe abate de bois nas sete unidades de MS

JBS alega ‘insegurança jurídica’ e interrompe abate de bois nas sete unidades de MS

MS, Rural
O Grupo JBS, dos irmãos Wesley e Joesley Batista, anunciou que interrompeu atividades de compra e abates de bovinos, por tempo indeterminado, em sete unidades de carne bovina em Mato Grosso do Sul. A alegação da empresa é insegurança jurídica. Recentemente, a empresa teve R$ 730 milhões bloqueados pela Justiça, a pedido da CPI que investiga irregularidades fiscais da JBS em MS. Em um primeiro momento, foram R$ 115 milhões, e depois, R$ 614 mi. Conforme a comissão, o bloqueio dos bens é para garantir uma futura compensação ao estado, caso a rede de frigoríficos seja condenada por causar prejuízo ao estado por não promover melhorias na sua estrutura, em troca dos benefícios fiscais concedidos a ela. Conforme informado ao TopMidiaNews, a JBS diz que os colaboradores dos frigoríficos 
Dourados tem passeata em protesto contra prisão de produtores rurais

Dourados tem passeata em protesto contra prisão de produtores rurais

Rural
O Sindicato Rural de Dourados participou neste sábado, dia 07 de outubro, de uma passeata realizada na Avenida Marcelino Pires, em protesto contra a prisão de cinco produtores rurais de Caarapó, que voltaram para a cadeia por decisão do STF (Supremo Tribunal Federal). Liderados pelo presidente Lúcio Damália, diretores e filiados do sindicato se uniram a amigos e familiares dos produtores e marcharam pela principal avenida de Dourados, para pedir paz no campo, pelo direito de propriedade e para cobrar liberdade a Nelson Buanain Filho, Jesus Camacho, Virgílio Mettifogo, Dionei Guedin e Eduardo Yoshio Tomanaga. Carregando faixas e cartazes e usando um carro de som, os produtores chamaram a atenção das pessoas que circulavam pelo centro e que estavam nas lojas do comércio douradense sobr
Brasil define as 20 pragas agrícolas mais importantes que ainda não chegaram ao País

Brasil define as 20 pragas agrícolas mais importantes que ainda não chegaram ao País

Rural
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Embrapa elaboraram, pela primeira vez em conjunto, uma lista com as 20 pragas quarentenárias ausentes prioritárias para ações de vigilância e pesquisa, que ameaçam, caso entrem no País, culturas como milho, soja, mandioca, batata, arroz e várias frutas. Três das pragas listadas já contam, inclusive, com planos de contingência. Existem atualmente cerca de 500 pragas quarentenárias – entre fungos, insetos, bactérias, vírus, nematoides e plantas daninhas – oficialmente reconhecidas como ausentes no Brasil. Em 2007, o Ministério publicou a Instrução Normativa nº 52, que estabeleceu a lista de pragas quarentenárias ausentes e presentes. A publicação dessa lista é uma das obrigações do País como membro da Convenção Internacio
MPF pede indenização de R$ 286 mil para aldeia pulverizada com agrotóxico

MPF pede indenização de R$ 286 mil para aldeia pulverizada com agrotóxico

Rural
No dia 6 de janeiro de 2015, no período matutino, nas imediações da aldeia Guyra Kambi'y, em Douradina, piloto contratado aplicou produtos químicos (agrotóxicos) nas imediações da aldeia. Os índios produziram vídeos pelo celular, onde é possível observar o avião dando voos rasantes, borrifando veneno na plantação de soja e suspendendo a aspersão quando se aproximava das primeiras casas localizadas na estrada limite entre a fazenda e a área indígena. O Laudo Pericial da Polícia Federal constatou que a aplicação ocorreu fora dos parâmetros legais, próximo à área habitada pelos índios da etnia guarani-kaiowá. Após a aplicação da substância na plantação, crianças e adultos da comunidade apresentaram dores de cabeça e garganta, diarréia e febre. A Instrução Normativa nº 02 de 03/01/2008, do