quarta-feira, Fevereiro 21

EUA investiga o alarme falso de ataque nuclear que aterrorizou o Havaí

Alguns buscaram refúgio para as crianças. Outros não quiseram assustá-las e tentaram aparentar normalidade, rezando e esperando a morte. Muitos mandaram mensagens de despedida a seus entes queridos. Durante 38 minutos de angústia, a população do Havaí pensou que estava sendo atacada com mísseis, porque seu próprio Governo lhes disse isso. O alerta a celulares, enviado por engano, deixa no ar perguntas vitais sobre os protocolos de aviso à população em caso de ataque e as consequências que um aviso como este pode desencadear, justamente em um momento em que a Coreia do Norte tornou real essa ameaça pela primeira vez desde a Guerra Fria.

Às 08:07 da manhã no horário local, um número indeterminado de telefones móveis no Havaí recebeu a seguinte mensagem de texto do serviço de alertas oficial: “AMEAÇA DE MÍSSIL BALÍSTICO EM DIREÇÃO AO HAVAÍ. PROCURE ABRIGO IMEDIATAMENTE. ISTO NÃO É UMA SIMULAÇÃO”. Assim, em maiúsculas. O aviso também interrompeu a programação de televisão e rádio na mesma hora. Alguns alarmes antiaéreos também soaram, mas não a maioria.

A Agência de Emergências em Honolulu demorou 10 minutos para avisar que não havia nenhum míssil em direção às ilhas. Fez isso no Twitter. Depois vieram os anúncios por rádio e televisão. Até as 8h45 da manhã não tinha ainda enviado novo alerta a celulares para deter a histeria e o espanto. “O que aconteceu é totalmente inaceitável”, reconheceu o governador, David Ige, em uma coletiva de imprensa para explicar o que ocorreu.

Segundo a versão preliminar apresentada por Ige e por Vern Miyagi, o administrador da agência, um funcionário do serviço de emergências “apertou o botão errado” durante uma mudança de turno. Não há um procedimento automático para enviar os alertas. É um processo de dois passos, no qual o sistema avisa: “Tem certeza de que quer fazer isso?”. Há alguém à frente desse sistema de alertas 24 horas por dia, em três turnos. Mesmo assim, são feitos testes periódicos. Em uma troca de turno, o funcionário acreditou que estava fazendo um teste. Não se deu conta do erro até receber o alerta em seu próprio telefone.

Ige e Miyagi não disseram se será tomada alguma medida disciplinar contra a pessoa. “Isso não voltará a ocorrer”, disse o governador. A primeira medida foi mudar o protocolo de envio dos alertas. A partir de agora, terá de ser revisado por duas pessoas. A Comissão Federal de Comunicações, que tem a jurisdição sobre os serviços de emergência, anunciou uma investigação completa do fato.

Durante mais de meia hora de angústia, a reação da população deu uma ideia impactante do que seria um ataque real contra norte-americanos que nunca viveram essa ameaça. Stacey Bow contou à agência Reuters que acordou sua filha de 16 anos com a notícia e “ela ficou histérica, chorando”. Michael Barstis contou ao The Wall Street Journal que sua esposa e ele passaram esses minutos na sala, rezando em silêncio, abraçando e beijando seus filhos. “Alguém tem de pagar por isso”, disse Barstis.

Alguns dos melhores jogadores de golfe do mundo, que estavam em um hotel de Honolulu para participar de um torneio, tuitaram suas reações. “Estou embaixo de colchões enfiado na banheira com minha mulher, meu bebê e meus sogros”, tuitou John Peterson. “Por favor, Senhor, que a ameaça não seja real.” Não se via nada igual há décadas. O Havaí não tem abrigos nucleares.

O erro acontece exatamente no Havaí, o território dos Estados Unidos mais exposto a um possível ataque nuclear da Coreia do Norte, o que contribuiu para reforçar a credibilidade da ameaça. Em seu último discurso transmitido pela televisão, o ditador Kim Jong-un assegurou que tinha em sua mesa um botão nuclear que utilizaria para dissuadir os Estados Unidos. A verdadeira capacidade de ataque com mísseis balísticos da Coreia do Norte é um mistério, mas há consenso entre os especialistas militares que está em condições de alcançar o território continental dos Estados Unidos e, sem dúvida, o Havaí. O território mais próximo à ameaça tem 1,4 milhão de habitantes. Até agora, os testes de mísseis feitos pela Coreia do Norte só chegaram até águas do Japão.

Fonte: El País

Notícias Relacionadas :::